segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

PAPA FRANCISCO EM GUIDONIA: TESTEMUNHAR JESUS, SEM FOFOCAR



Cidade do Vaticano (RV) - “Testemunhar Jesus” com exemplos de vida cristã, ações concretas e sem “fofocas”. Foi o que disse o Papa Francisco na homilia da missa celebrada, na tarde deste domingo (15/01), na Paróquia de Santa Maria em Setteville, em Guidonia, Diocese de Roma. 
 
O pontífice retomou suas visitas às paróquias romanas depois de uma pausa do ano jubilar. Recomeçou o ciclo de visitas encontrando na Paróquia de Santa Maria em Setteville o vice-pároco Pe. Giuseppe Berardino, 47 anos, que sofre gravemente de Esclerose Lateral Amiotrófica há mais de dois anos, e não se movimenta autonomamente. 
Francisco se encontrou com os jovens que começaram cinco anos atrás seu percurso de formação para a Crisma com Pe. Giuseppe. Acompanhado pelo Pároco Pe. Luigi Tedoldi, o Papa solicitou os jovens a falar, a fazerem perguntas, a testemunhar com a sua presença na paróquia que é “uma graça do Senhor” aos jovens que abandonam a Igreja depois da Crisma.
Testemunho
Com as crianças, o Pontífice se deteve sobre o significado do testemunho como “exemplo de vida”: 
“Posso falar do Senhor, mas se eu com a minha vida não falo dando testemunho, não serve! Padre, eu sou cristão, e falo do Senhor. Sim, mas você é um cristão papagaio: palavras, palavras e palavras, e nada mais. O testemunho cristão se faz com a palavra, com o coração e com as mãos.”
O Papa exortou a ouvir, ir ao encontro, pedir perdão e perdoar, realizar obras de misericórdia com os doentes, encarcerados e pobres. E ter fé, vivendo-a e demonstrando com os fatos o quando seja importante: 
“Se você tem um amigo, uma amiga que não crê, não deve dizer-lhe: “Você tem de crer por isso e aquilo, e explicar todas as coisas. Isso não deve ser feito! Isso se chama proselitismo e nós cristãos não fazemos proselitismo. O que se deve fazer? Se não posso explicar, o que devo fazer? Viver de tal forma que seja ele ou ela a lhe perguntar: Por que você vive assim? Por que você fez isso? Aí sim, você explica.”
Francisco convidou a falar e a ter como exemplo os avós que “protegem a família”: “são a nossa memória, a nossa sabedoria, são também amigos”, sublinhou. 
No encontro com os agentes pastorais, recordou o período em que em Buenos Aires fazia algumas catequeses “com um filme”, convidando a assistir o filme japonês de Kurosawa intitulado “Rapsódia em Agosto”, para explicar o diálogo entre avós e netos.
O Papa falou das vezes em que caminhou na “escuridão” da fé: “Existem dias em que não se vê nada, mas depois com a ajuda do Senhor a gente se reencontra.” Por exemplo, diante de uma calamidade: Francisco se referiu às 13 crianças nascidas depois do terremoto que abalou recentemente a região central da Itália, batizadas, no último sábado (14/01), na Casa Santa Marta. Um homem disse ao Papa que perdeu sua esposa no terremoto. 
“Respeita a escuridão da alma. Depois, o Senhor despertará a fé. A fé é um dom do Senhor. Cabe a nós somente protegê-la. Não se estuda para ter fé: a fé se recebe como um presente.”
No encontro com os doentes, Francisco refletiu sobre o sofrimento também das “crianças com problemas”: 
“Existem coisas que não têm como explicar, acontecem. A vida é assim. Jesus quis estar próximo a nós com a sua dor, com a sua paixão, com seu sofrimento. Jesus está com todos vocês.”
Com os pais de 45 crianças batizadas na paróquia durante 2016, o Papa se deteve na “alegria da vida que segue adiante”, típica das crianças. A seguir, confessou quatro pessoas, e na homilia da missa, voltou a convidar a testemunhar Cristo: “Existem muitos cristãos que professam que Jesus é Deus; existem vários sacerdotes que confessam que Jesus é Deus, muitos bispos, mas todos testemunham Jesus? Ser cristão é uma maneira de viver? É como ser torcedor de um time? Ser cristão é primeiramente testemunhar Jesus.”
Paz
Uma paróquia é incapaz de testemunhar se nela existem fofocas. O Papa deu como exemplo os Apóstolos, que não obstante tenham traído Jesus, nunca “falavam mal” uns dos outros. 
“Vocês querem uma paróquia perfeita? Não fofoquem. Se você tem alguma coisa contra uma pessoa, fale diretamente com ela ou converse com o pároco, mas não entre vocês. Este é o sinal de que o Espírito Santo está numa paróquia. Os outros pecados, todos temos. Existe um coleção de pecados: eu pego esse, você pega aquele, mas todos somos pecadores. Porém, o que realmente destrói uma comunidade, como o verme, são as fofocas.”
Antes de deixar Guidonia, Francisco saudou os fiéis que esperaram por ele do lado de fora da igreja. E deixou uma tarefa: Que este seja um “bairro de paz”. (MJ)(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

EVANGELHO DO DIA


Marcos 2,18-22
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos. Glória a vós, Senhor. Naquele tempo, 18os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: “Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?”19Jesus respondeu: “Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar.21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos”. Palavra da Salvação.

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE


16/01/2017 - 2ª. feira – II semana comum 

- Hebreus 5, 1-10 – “Filho obediente ”

A obediência de Jesus é o parâmetro para que também nos tornemos causa de salvação eterna para os nossos irmãos. Antes de Jesus, todo sumo sacerdote era tirado do meio dos homens para oferecer sacrifícios pelos pecados dos homens e também, pelos seus próprios pecados. Mesmo sem ter pecado Jesus Cristo foi estabelecido sumo sacerdote por chamado do próprio Pai que o constituiu pela palavra: “tu és Sacerdote para sempre”, para se oferecer pelo pecado dos homens. Apesar de ser distinguido pelo Pai, Jesus revelou a sua humildade e não atribuiu a si mesmo essa honra, mas foi humilde até às lágrimas dirigindo preces e súplicas ao Pai a fim de que O salvasse da morte. Pela sua humildade, obediência e entrega Jesus é o exemplo do sacerdote perfeito. O sacerdote é aquele que consome a sua vida pela causa da salvação dos seus irmãos. Mesmo que soframos, mesmo que seja difícil, seremos também, depois, gratificados (as), a exemplo de Cristo. Muitas vezes, por causa das dificuldades que enfrentamos somos tentados (as) a desanimar ou nos rebelar e esquecermos de que, o seguimento de Cristo implica na anuência da vontade do Pai e na confiança na Sua proteção. – Você é uma pessoa obediente ou rebelde? – Você é daquelas pessoas que não admite passar por necessidades e sofrimentos? – O que você acha do exemplo de Jesus? – Você sabia que também é chamado (a) a ser sacerdote?

Salmo 109 – “ tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedeque!”

O salmista já predizia a missão de Jesus Cristo como sacerdote. Jesus foi, depois do sofrimento, exaltado e está sentado à direita do Pai. O salmo refere-se justamente á realeza de Jesus, o Salvador que ainda viria, mas já o proclama príncipe desde o dia em que nasceu. Embora os inimigos ainda dominassem, ele sabia que a salvação viria breve.

Evangelho – Marcos 2, 18-22 – “uma nova visão sobre a realidade da vida”

Jesus nos ensina a considerar o tempo favorável em que vivemos para realizarmos ações que sejam agradáveis a Deus. Os fariseus seguiam os seus costumes e não entendiam o que Jesus explicava, pois eram presos na mentalidade do ter que fazer sacrifícios sem um motivo justo. Eles faziam tudo apenas para cumprir a obrigação e não observavam qual o espírito que os motivava. Se seguirmos os ensinamentos de Jesus iremos perceber que tudo o que fizermos forçados ou por obrigação não causará nenhum efeito, pelo contrário, contribuirá para que o espírito de rebeldia aja em nós. O jejuar por jejuar, o fazer sacrifício só para cumprir um ritual não ajudará no nosso crescimento espiritual. Nada nos adiantará se o nosso coração não acompanhar a ação! Precisamos dar um sentido às nossas ações e sermos sinceros no que realizamos. O homem de mentalidade mundana, não entende as coisas do espírito, assim como o remendo novo rasga o pano velho e o vinho novo rompe o odre velho. Para sabermos entender as coisas do alto precisamos nos renovar e nascer de novo com uma nova visão sobre a realidade da vida. Para acolher o novo precisamos de nova mentalidade e de abertura interior a fim de que aconteça em nós a purificação necessária e assim nos tornemos pessoas renovadas. Qual o sentido que você dá ao jejum? Para que finalidade você jejua? Como você se sente? - As coisas que você tem feito para o reino de Deus, você o tem feito por amor ou por obrigação? - Você tem um coração novo ou continua com os mesmos sentimentos de outrora?


 Helena Serpa,
Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

SANTO DO DIA - SÃO BERNARDO E COMPANHEIROS MÁRTIRES


Em 1219, São Francisco enviou esses missionários para a Espanha, que estava tomada por mouros. Passaram por Portugal a pé, com dificuldades. Dependendo da Divina Providência, chegaram a Sevilha. Ali começaram a pregar, principalmente como testemunho de vida. Eram 3 sacerdotes e dois irmãos religiosos que incomodaram muitas pessoas ao anunciar o Evangelho.
Acompanhado pelo testemunho, teve quem abrisse o coração para Cristo e as conversões começaram a acontecer. Pregaram até para o rei mouro, porque, também ele merecia conhecer a beleza do Santo Evangelho. Porém, anunciar o Evangelho naquele tempo, como nos dias de hoje, envolve riscos e eles foram presos por isso. Por influência do rei mouro, eles foram deportados para Marrocos e, ao chegarem lá, continuaram evangelizando; uma pregação sobre o reino de Deus, sobre o único amor que pode converter.
Graças a Deus, devido aos sinais, principalmente àquele tão concreto de Deus, que é a conversão e a mudança da mentalidade, as pessoas começaram a seguir Cristo e a querer o batismo. Mas isso incomodou também o rei mouro que, influenciado por fanáticos, prendeu os cinco franciscanos, depois os açoitou e decapitou.
Os santos mártires que, em 1220, foram mortos por causa da verdade, hoje, intercedem por nós.
São Francisco, ao saber da morte dos seus filhos espirituais, exultou de alegria, pois eles tinham morrido por amor a Jesus Cristo.
São Berardo e companheiros mártires, rogai por nós!
Fonte: Canção Nova notícias

domingo, 15 de janeiro de 2017

PAPA FRANCISCO: "IGREJA NÃO ANUNCIA SI MESMA, MAS JESUS"



Cidade do Vaticano (RV) – Em seu encontro com os fiéis na Praça São Pedro, neste domingo (15/01), o Papa explicou o sentido das palavras do Evangelho do dia proferidas por João Batista: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”, às margens do Rio Jordão.
João sabe que o Messias está próximo
 
Enquanto João batiza as pessoas, homens e mulheres de várias idades, ele afirma que o reino dos céus está próximo e que o Messias está para se manifestar. “Para isso, é preciso se preparar, se converter e se comportar corretamente”. O batismo é um sinal concreto de penitência. João sabe que o Consagrado está chegando e o sinal para reconhecê-lo é que Nele se pousará o Espírito Santo, que trará o verdadeiro batismo.
“Eis que naquele momento Jesus se apresenta às margens do rio, no meio do povo, dos pecadores, como nós. É o seu primeiro ato público, a primeira coisa que faz quando deixa sua casa de Nazaré: desce à Judeia, vai ao Jordão e se faz batizar por João Batista. Naquele momento, sobre Jesus desce o Espírito Santo em forma de pomba e a voz do Pai o proclama Filho predileto”.
João entende que se realiza o plano divino
João fica desconcertado pelo fato de o Messias se ter manifestado de modo tão impensável, em meio aos pecadores. O Papa explicou que iluminado pelo Espírito, João entende que assim se realizava a justiça divina, o plano de salvação de Deus, que “como Cordeiro de Deus, toma para si os pecados do mundo”.
Esta cena, segundo o Pontífice, é decisiva para a nossa fé e para a missão da Igreja, que deve indicar Jesus às pessoas, como fazem os padres na missa, todos os dias, quando apresentam o pão e o vinho aos fiéis como o Corpo e o Sangue de Cristo:
Igreja deve anunciar sempre Jesus e não si mesma
“Este gesto litúrgico representa toda a missão da Igreja, que não anuncia si mesma, mas anuncia Cristo! Ai da Igreja quando anuncia si mesma... perde a bússola, não sabe para onde ir. Ela não leva si mesma, mas leva Cristo, porque é Ele e somente Ele que salva o povo do pecado, o liberta e o guia rumo à terra da vida e da liberdade”.
Concluindo, o Papa rezou a oração mariana do Angelus e pediu a Maria, Mãe do Cordeiro de Deus, que nos ajude a crer Nele e a Segui-Lo. (cm)(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

PAPA FRANCISCO BATIZA BEBÊS NASCIDOS NAS ÁREAS DO TERREMOTO NA ITÁLIA



Cidade do Vaticano (RV) – Na tarde de sábado (14/01), na Capela da Casa Santa Marta, o Papa Francisco administrou o sacramento do Batismo a 13 bebês nascidos nas localidades do centro da Itália abaladas pelos terremotos dos meses passados. Apenas os familiares participaram da cerimônia, da qual foram divulgadas algumas fotos. A menor das crianças batizadas tem 5 dias de vida.
A ideia de batizar os bebês, todos nascidos depois do terremoto, surgiu quando em 4 de outubro passado, o Pontífice visitou a região e uma mãe pediu-lhe que batizasse o seu filho. O Papa aceitou e o convite foi estendido a outros pequenos da região.
O anúncio foi feito pelo bispo de Rieti, Dom Domênico Pompili, no último dia 30 de dezembro. Em 5 de janeiro passado, Francisco recebeu as populações atingidas pelos sismos em encontro na Sala Paulo VI. (CM)(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

PAPA FRANCISCO : DAR RESPOSTAS AO DRAMA DE MILHÕES DE MIGRANTES MENORES


Neste domingo a Igreja celebra o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, sobre o tema "Migrantes menores, vulneráveis e sem voz". Na sua mensagem para esta ocasião, o Papa Francisco convida a comunidade cristã e toda a sociedade civil, a oferecer respostas para o drama de milhões de crianças e meninos, muitas vezes não acompanhados no fluxo global das migrações, e que fogem da guerra, a violência, a pobreza e as catástrofes naturais.
Fala com muita clareza Jesus: "Quem acolhe um sós destes pequenos em meu nome, acolhe a Mim", e também acrescenta: "Quem escandalizar um destes pequeninos que acreditam em mim, é melhor ... que seja lançado no fundo do mar". Palavras de advertência, sublinha Francisco, para "gente sem escrúpulos", que explora meninas e meninos "envolvidos na prostituição ou tomados nos ciclos da pornografia, feitos escravos do trabalho infantil ou alistados como soldados, envolvidos no tráfico de drogas e outras formas de delinquência, forçados a fugir de conflitos e perseguições, correndo o risco de se encontrarem  sozinhos e abandonados. "Por isso faço questão, escreve o Papa, "de chamar a atenção para a realidade dos migrantes menores, especialmente aqueles que se encontram sozinhos, exortando todos a cuidar das crianças que são três vezes mais indefesas, porque menores, porque estrangeiras e porque inermes quando, por várias razões, são forçadas a viver longe da sua terra de origem e separadas doa afectos da família”.
Como responder a esta realidade? "Focalizar na protecção, na integração e em soluções duradouras", sugere Francisco. Antes de tudo proteger, intervindo "com maior rigor e eficácia"  contra os "aproveitadores" para parar "as múltiplas formas de escravidão das quais são vítimas os  menores". Em seguida, intensificar a colaboração entre os migrantes e as comunidades que os acolhem, criando "redes capazes de assegurar intervenções rápidas e capilares”.
Para a integração são indispensáveis "recursos financeiros" para "adequadas políticas de acolhimento, assistência e inclusão". "Em vez de favorecer a inserção" dos menores migrantes ou "programas de devolução segura e assistida", denuncia o Papa, impede-se o seu ingresso, favorecendo a utilização de redes ilegais, ou se devolvem  ao País de origem, sem assegurar-se de que isso é do seu interesse. "O direito dos Estados de gerir os fluxos migratórios e  salvaguardar o bem comum nacional deve-se conjugar - reitera Francisco - com o dever de resolver e regularizar a posição dos migrantes menores, no pleno respeito pela sua dignidade”.
Soluções duradouras, indica a Mensagem, requerem "que se enfrentem nos Países de origem as causas que provocam as migrações". Isto exige, "o empenho de toda a comunidade internacional para resolver os conflitos e a violência que obrigam as pessoas a fugir" e "programas apropriados para as áreas afetadas por mais graves injustiças e instabilidade, de modo que a todos seja garantido o acesso ao desenvolvimento autêntico, que promova o bem das crianças e meninos, esperanças da humanidade". Por fim, um encorajamento do Papa aos que caminham ao lado de crianças e adolescentes nas vias da emigração: "Eles precisam da vossa preciosa ajuda, e também a Igreja precisa de vós e vos apoia no generoso serviço que prestais”. (BS)(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

PAPA FRANCISCO PEDE "PEDE PROTEÇÃO E INTEGRAÇÃO" DE CRIANÇAS MIGRANTES



Cidade do Vaticano (RV) – Diante das milhares de pessoas presentes na manhã deste domingo (15/01) na Praça São Pedro, o Papa pediu a adoção de “todas as medidas possíveis para garantir proteção, defesa e integração para as crianças migrantes”.
 
No Dia Mundial do Migrante e do Refugadodedicado este ano ao tema “Migrantes de menor idade, vulneráveis e sem voz”, o Pontífice denunciou os perigos aos quais “estes pequenos irmãos, especialmente quando desacompanhados, estão expostos.
O encontro de culturas e o respeito das leis
“Saúdo especialmente os representantes de comunidades étnicas aqui presentes. Queridos amigos, desejo que possam viver com serenidade nas localidades que os acolhem, respeitando suas leis e tradições e, ao mesmo tempo, mantendo os valores de suas culturas originais. O encontro entre culturas diferentes é sempre um enriquecimento para todos!”.
Francisco fez um agradecimento público ao Setor ‘Migrantes’ da Diocese de Roma e a todos os que trabalham com os migrantes acolhendo-os e acompanhando-os em suas dificuldades.
Encorajando-os a prosseguirem esta obra, o Papa mencionou Santa Francisca Xavier Cabrini, morta 100 anos atrás, padroeira dos migrantes:
“Esta religiosa, corajosa, dedicou sua vida e levar o amor de Cristo àqueles que estavam distantes de suas pátrias e famílias. Que seu testemunho nos ajude a cuidar do irmão estrangeiro, no qual Jesus está presente, e que muitas vezes sofre, é humilhado e repelido. Quantas vezes na Bíblia o Senhor nos pede para acolher os migrantes e os estrangeiros, recordando-nos que nós também somos estrangeiros".
mensagem do Papa para o  Dia Mundial do Migrante e do Refugado foi publicada em 13 de outubro de 2016. (CM)(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vticano

PAPA ENCONTRA ABBAS: RETOMAR AS NEGOCIAÇÕES DIRETAS DE PAZ




Na manhã deste sábado (14/01), o Papa recebeu no Vaticano Mahmoud Abbas, Presidente do Estado da Palestina. Durante o encontro, foram destacadas as boas relações entre Santa Sé e Palestina, estabelecidas no Acordo global de 2015, que abrange aspectos essenciais da vida e da atividade da Igreja na sociedade palestina.
Neste contexto, foi recordada também a importante contribuição dos católicos em favor da promoção da dignidade humana e na ajuda aos mais carentes, especialmente nos campos da educação, saúde e assistência.
Os dois Chefes de Estado se detiveram ainda sobre o processo de paz no Oriente Médio, esperando que as negociações directas entre as partes se reiniciem e resultem no fim da violência, que tem causado sofrimentos inaceitáveis às populações civis.
Como afirma um comunicado divulgado após o encontro, o Papa e Abbas contam com o apoio da comunidade internacional no sentido de tomar medidas que favoreçam a confiança recíproca e contribuam para criar um clima que permita decisões corajosas em favor da paz.
Enfim, os dois ressaltaram a importância de salvaguardar o carácter sagrado dos Lugares Santos para as três religiões monoteístas e dedicaram atenção aos outros conflitos que afligem a região.
Entre os presentes trocados, Mahmud Abbas ofereceu a Francisco uma pedra da Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, de acordo com Greg Burke, director da Sala de Imprensa da Santa Sé.
A audiência privada foi o terceiro encontro entre o Papa e Abbas depois da visita em 2014 do Pontífice a Israel e aos Territórios palestinos ocupados e da vinda do líder da Palestina ao Vaticano em 2015 para a canonização de duas religiosas palestinas, Mariam Bawardi (1846-1878) e Marie-Alphonsine Ghattas (1843-1927).
Ao sair do Vaticano, Abbas inaugurou a embaixada da Palestina junto à Santa Sé, na Via di Porta Angelica. A representação diplomática está localizada num edifício que já abriga as embaixadas do Peru e Burkina Faso junto à Santa Sé. (BS/CM)(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

HORÁRIO DE MISSAS


Paróquia São Vicente de Paulo, à Avenida Desembargador Moreira, 2211, no bairro Dionísio Torres, em Fortaleza.

*Diariamente: 6h30 e 17h30
* De 3ª a 6ª: 11h30 e 19 horas
*Sábado: 6h30, 12 horas e 17h30
* Domingo: 6h30, 8h30, 11h30, 17h30 e 19h30

Comunidade Face de Cristo, à Rua Edmilson Barros de Oliveira, 191, no bairro Cocó, em Fortaleza
* De segunda à quinta-feira, às18 horas
* De segunda à sexta-feira: 7 horas.
* Domingo: às 8 e 18h30

 Paróquia São João Eudes:

Na Igreja  Menino Deus, à Rua Jaime Leonel, s/n, no bairro Luciano Cavalcante

* Às 3ªs e 5ªs feiras, às 19 horas
* Domingo: às 7 e 19 horas.

Na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, à rua Albert Sabin, s/n, no bairro Cocó/Guararapes.

* Às  4ªs feiras, às 18h30, novena de Nossa Senhor do Perpétuo Socorro, às 19 horas, missa e, às sextas-feiras, às 18h30, Adoração ao Santíssimo Sacramento e, logo em seguida, missa.
* Domingo: às 9, 17 e 19 horas.

Paróquia Nossa Senhora da Assunção (Santuário), no bairro Barra do Ceará

* De terça-feira a sábado, as 6 e 19horas.
*Domingo : às 7, 9, 17, 18h30 e 20horas.

Paróquia Nossa Senhora Aparecida, à Avenida Gomes de Matos, no bairro Montese.

*De 2ª à sexta-feiras, às 18h30, exceto nas terças-feiras.
*Domingo: às 7, 9,17 e 19 horas;*Nos dias 12, Missa em honra a Nossa Senhora Aparecida; dia 13, Nossa Senhora de Fátima, e dia19, Santo Expedito. E toda 1ª terça-feira do mês, Missa de Cura.

Paróquia do Coração de Jesus, no Centro de Fortaleza, na Praça do Coração de Jesus.

*Diariamente, de segunda-feira a domingo, às 7 horas.
* Domingo: às 7,8,30, 16 e 18 horas.

Paróquia de Cristo Rei, à Rua Nogueira Acioli, 263, na Aldeota.

De segunda-feira à sexta-feira, às 6h30 e às 17 horas
Sábado, às 6h30, 17 e 19 horas.
Domingo, 6h30, 9, 11, 17 e 19 horas
Últimas terças-feiras: “Noite da Misericórdia”. Observação: não há missa das 17 horas.
Dia 13 – Missa Mariana: às 12 horas, na Igreja Matriz e às 18 horas, na Praça Ceart.

Paróquia Nossa Senhora do Carmo, na Avenida Duque de Caxias, no Centro de Fortaleza

Domingo, às 8, 10, 17 e 18h30
Sábado, às 7h30, 17h30 e 17h30
De 3ª A 6ª feira, às 7h30 e 17 horas.     

Paróquia de Santa Luzia,  Rua Tenente Benévolo esquina com Rua Antônio Augusto

Diàriamente, às 17 horas
Sábado, às 17 e 19 horas.
Domingo, às 8, 10 (missa das crianças), 17 e 19 horas (missa dos jovens)
Todo dia 13 de cada mês, missa às 12 horas, em honra a Nossa Senhora de Fátima.

Paróquia de São Gonçalo do Amarante, a 57 quilômetros distante de Fortaleza

De terça-feira à sexta-feira, às 18 horas.
Domingo, às 19 horas.

Igreja Matriz de São José - Lagoa Redonda (Avenida Recreio, 1815)
- Sábado, 20 horas
- Domingo, 7 e 17h30

Capela de Santa Edwiges, Conjunto Curió Lagoa Redonda (Rua Isabel Ferreira, 1001)
- Domingo às 9 horas

Igreja dos Remédios – Benfica – na Avenida da Universidade
- Às segundas e quartas-feiras, às 6h30m.
- Às terças, quintas e sextas-feiras, às 17h30min.
- Aos sábados – 15h30min e 17 horas.
- Aos domingos, às 7, 17 e 19 horas.
- Domingos, ás 9horas, Missa com crianças (exceto no 1. domingo de cada mês, dia dos batizados)
- No primeiro sábado, missa pela saúde e todo o dia 13, às 12 horas, celebração em honra a Nossa Senhora. Mais informações pelo telefone (85) 3223.5644.

Envie-nos os horários de Missa de sua Paróquia ou Comunidade para o e-mailvaivém@secrel.com.br

EVANGELHO DO DIA


João 1,29-34
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João. Glória a vós, Senhor! Naquele tempo, 29João viu Jesus aproximar-se dele e disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. 30Dele é que eu disse: Depois de mim vem um homem que passou à minha frente, porque existia antes de mim. 31Também eu não o conhecia, mas se eu vim batizar com água, foi para que ele fosse manifestado a Israel”.32E João deu testemunho, dizendo: “Eu vi o Espírito descer, como uma pomba do céu, e permanecer sobre ele. 33Também eu não o conhecia, mas aquele que me enviou a batizar com água me disse: ‘Aquele sobre quem vires o Espírito descer e permanecer, este é quem batiza com o Espírito Santo’. 34Eu vi e dou testemunho: Este é o Filho de Deus!”— Palavra da Salvação.

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE


15/01/2017 - II Domingo do Tempo comum

– 1ª. Leitura – Isaías 49, 3.5-6 – “com nossas boas ações podemos ser luz das nações ”

Todos nós, homens e mulheres, que temos a Bíblia como farol que ilumina nossos passos na caminhada para Deus, podemos nos amparar nesta Palavra. Apesar de Isaías profetizar a respeito de Jesus Cristo, todos nós podemos assumir a mensagem desta profecia, porque ao se fazer homem como nós, Jesus Cristo, o próprio Deus se fez servo para a Sua glória e para a nossa salvação e nos deu também dignidade e capacidade para realizar aqui na terra as mesmas obras que Ele. Portanto, nós também somos chamados a ser servos e servas fiéis ao projeto de Salvação que Cristo veio instaurar para a humanidade. Fomos também preparados (as), desde o nosso nascimento, para concretizar a missão à qual fomos destinados (as). A Palavra de Deus é o próprio Jesus que nos ilumina e nos faz irradiar Sua Luz no mundo. É através das nossas ações que podemos ser luz das nações, visto que no percurso da nossa vida temos inúmeras oportunidades de irradiar a mesma luz que recebemos de Jesus, no intuito de propagar a salvação até os confins da terra. Os confins da terra significam os lugares aos quais temos acesso, onde podemos levar a paz, a harmonia, o consolo a quem precisa, por meio da pregação da Sua Palavra e da vivência do Seu Amor. Ser luz das nações também é o chamado que recebemos no nosso Batismo, pois fomos mergulhados no mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. Temos em nós todos os atributos de Cristo, não podemos nos esquecer desta verdade. Às vezes, nós nos omitimos, deixamos passar as ocasiões favoráveis, dessa forma estamos submergindo a luz que mora em nós e nos esquecemos de manifestar ao mundo, a glória de Deus. – Você tem consciência de que Jesus quer ser Luz através das suas ações? – Você tem manifestado ao mundo a glória de Deus? – Você tem propagado a Palavra de Jesus no meio em que vive? – Você tem revelado ao mundo a sua fé em Cristo? – Como?

Salmo 39 – “Eu disse: Eis que venho, Senhor, com prazer faço a vossa vontade!”

A esperança é o alimento da nossa fé! Por isso, o salmista nos ensina que a maneira mais eficaz para ver atendidos os nossos pedidos é esperar no Senhor com paciência. Enquanto esperamos, o próprio Senhor nos ensina a cantar louvores e poemas e coloca nos nossos lábios as palavras certas. E acrescenta como a nos orientar: “sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor meus ouvidos”. É isso o que devemos fazer, então: escutar a Palavra de Deus, cantar louvores e oferecer a Ele, não as coisas nem penitências, mas o nosso serviço e a nossa disposição de fazer a Sua vontade. .

2ª. Leitura – 1 Coríntios 1, 1-3 – “A graça e a paz da parte de Deus”

Esta mensagem de São Paulo se destina a todos os que, no mundo inteiro atendem ao chamado de Deus para serem santo, quer dizer, separado, consagrado a Ele. A esses, São Paulo acena com a graça e a paz da parte de Deus e de Jesus Cristo. Quando verdadeiramente nos apossamos da Palavra de Deus que nos foi revelada por meio dos Seus profetas, dos Seus apóstolos e discípulos esta palavra se torna vida na nossa vida. Desta forma, hoje, todos nós que nos apoderamos desta Palavra, precisamos também acolher a graça e a paz que Deus derrama sobre nós. Somos nós, hoje, os que foram santificados em Cristo Jesus e, por conseguinte, também chamados a ser santos e santas. Somos também o povo que invoca o nome de nosso Senhor Jesus Cristo em qualquer circunstância e lugar que estivermos. Consequentemente, se todos os dias nós acolhermos as bênçãos do céu que se derramam através da reflexão da Palavra, seremos pessoas abençoadas e felizes, apesar das tribulações e surpresas da vida. Quando no nosso dia a dia somos fiéis à nossa oração pessoal e à meditação da liturgia diária ou quando com perseverança participamos da Eucaristia, nós constatamos na nossa vida a grande graça de ser de Deus. Comprovamos e percebemos assim, que, aquilo que antes nos deixava “desesperados e confusos”, hoje nós enfrentamos com serenidade. Em Jesus Cristo, somos mais que vencedores, esta é uma verdade da qual nunca deveremos esquecer, pelo contrário, devemos propagar aos quatro cantos da terra. – Você tem se apossado das graças de Deus por meio da Sua Palavra? – Você tem confiança de que a Palavra de Jesus se confirma na sua vida? – Você tem passado para as outras pessoas essa certeza? – Você se considera santificado (a) em Jesus Cristo? – O seu comportamento condiz com o de um (a) santo (a)?

Evangelho – João 1, 29-34 - “o sinal do Espírito Santo”

João Batista veio abrir o caminho para Jesus! E o sinal dado por Deus Pai a ele, a fim de que reconhecesse Jesus, foi o Espírito Santo, em forma de uma pomba descida do céu. Dessa forma, João Batista apontava com segurança para Jesus e dizia: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. Depois do Batismo de Jesus, João Batista encerrou a sua missão, porque agora, Jesus, cheio do Espírito Santo, com poder iniciaria a Sua Missão. Às vezes não conseguimos entender muito os segredos de Deus, no entanto, precisamos nos firmar no que é essencial para que a mensagem evangélica se transforme em vida para a nossa caminhada. A todo o momento o Senhor nos sinaliza com o Seu Espírito Santo a fim de que possamos alcançar com segurança o que Ele pretende de nós. Depois de batizado, Jesus cheio do Espírito Santo iniciou sua vida pública tendo como maior objetivo nos fazer apossar do poder do Seu Espírito. Ao mencionarmos o Batismo de Jesus, não podemos esquecer-nos do nosso Batismo e tomar consciência de que também nós temos a força do Espírito dentro de nós e o Seu sinal se faz notar através das nossas ações, reações, atitudes, gestos, etc... Precisamos averiguar se o testemunho que estamos dando ao mundo é realmente o de alguém que vive pleno do Espírito Santo ou de quem já o guardou e não se importa com Ele! O Espírito Santo cheio de poder é o doce hóspede da nossa alma, no entanto Ele é educado e não quer se intrometer nas nossas ações, sem o nosso conhecimento. Deus Pai deu testemunho do Seu Filho Jesus, com o sinal do Espírito Santo. Assim também Ele só poderá dar testemunho ao mundo de que somos Seus filhos e filhas, se deixarmos que o Espírito Santo manifeste em nós o Seu poder e a Sua força. Seremos as pessoas mais insensatas se recusarmos essa grande ajuda do céu. – Você tem deixado transparecer ao mundo que está cheio (a) do Espírito Santo de Deus? – As pessoas reconhecem em você a luz que vem do céu? – Você tem feito as mesmas coisas, do mesmo jeito que as pessoas comuns do mundo fazem? – Em que você tem agido diferente das pessoas das “novelas” da TV? – Há alguma diferença?

Helena Serpa,

Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

REFLETINDO SOBRE O EVANGELHO



João 1,29-34

SEGUNDO DOMINGO DO TEMPO COMUM

Já foi observado que o evangelista São João, depois do prólogo do seu Evangelho, enumera os primeiros fatos da vida de Jesus, desde o testemunho de João Batista até as Bodas de Caná da Galiléia, numa sequência de sete dias – uma semana a mais, como artifício literário, do que com rigor de anotação cronológica. Podemos dizer que ele, ao falar da “nova criação”, que é a obra de Jesus, imita a primeira semana da criação. E é assim que o texto do Evangelho deste segundo domingo do Tempo Comum (João 1,29-34) diz: “No dia seguinte, João vê Jesus aproximar-se e diz: Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”.
É simplesmente profunda a expressão com que João Batista apresenta Jesus ao povo. Lembra o profeta Isaias, que se refere ao Messias como o “Servo de Javé”, que carrega o pecado do mundo e que caminha para o matadouro onde vai expiá-lo, como cordeiro manso que não abre a boca para se queixar (cf. Is. 53). Lembra o cordeiro que se imolava todos os dias no templo, e que tinha um sentido latrêutico, ou seja, de adoração a Deus, mas que adquiria, na consciência popular, um sentido também expiatório (cf. Lv. 14). Mas lembra sobretudo o cordeiro pascal, símbolo da redenção de Israel (cf. Ex.12). Lembremos que, quando os soldados deixaram de quebrar as pernas de Jesus morto na cruz, o evangelista diz que assim fizeram, para cumprir o rito que prescrevia que não se quebrasse nenhum osso do cordeiro pascal. E já se preludia a glória da eternidade, onde o Cristo glorioso está diante do altar de Deus, mas com aparência de cordeiro imolado.
Cristo é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Esta é a grande conclusão que tiramos deste Evangelho. Ele é o servo do Senhor por excelência e cordeiro por antonomásia, o novo cordeiro pascal imolado precisamente no dia de Páscoa. A expressão “tira o pecado do mundo”no singular, engloba não somente apagar os pecados numericamente, mas também e sobretudo apagar situações de pecado do mundo na sociedade, a condição escravizada do homem pecador nos diversos campos que se encontra; local, nacional, internacional, no mundo do trabalho, no mundo da familia e no plano pessoal. Em síntese: podemos dizer que Cristo é o Cordeiro que se imola por nós. Ele é o nosso modelo. Não é por acaso que em toda missa, antes da comunhão, Ele é apresentado para nós. Recebê-lo em alimento é mergulhar na santidade que Ele nos veio trazer. O pão eucarístico é o de nossa caminhada e é o penhor da ceia da eternidade, lá onde Jesus triunfa gloriosamente.
Não nos esqueçamos de que é o evangelho apresentado hoje contém esse belíssimo testemunho de São João Batista sobre a messianidade e divindade de Jesus, que está por iniciar sua vida apostólica. O testemunho de João Batista tem dois momentos importantes: a) Ele é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo; b) Eu vi e dei testemunho deque este é o filho de Deus. Jesus é o filho de Deus que traz a plenitude do amor do pai .
Demos honra e glória eternamente a nosso Senhor Jesus Cristo, cordeiro imolado para nossa salvação. Um bom domingo a todos!
Pe. Raimundo Neto
Pároco de São Vicente de Paulo